Cancro da Mama: Técnicas de Gestão de Stress

Após um diagnóstico de cancro da mama, o stress emocional é extremamente comum. Medos acerca do futuro, mudanças nos papéis sociais, e sintomas físicos ou perdas funcionais resultantes da doença ou do tratamento, contribuem para uma experiência que é habitualmente descrita como uma “montanha-russa emocional”. Existe actualmente na população de doentes com patologia mamária um interesse crescente na medicina mente-corpo e nas terapias complementares, sustentado por um desejo de ser proactiva e de tomar iniciativas no tratamento pessoal. O interesse actual de muitas doentes com cancro da mama por intervenções de redução do stress através de técnicas de relaxamento, meditação e yoga, deriva da crença de que o cancro pode ter sido causado ou agravado por stress, emoções, ou outros factores psicológicos, embora relações causais entre estes factores e o início e progressão do cancro não tenham sido demonstrados de forma convincente.

Contudo, à medida que a investigação clínica avança neste campo, os tratamentos que mostram benefícios tendem a integrar-se nos cuidados médicos convencionais.

O acompanhamento em Psicologia Oncológica oferece uma série de benefícios à paciente recém-diagnosticada ou que vai (re)iniciar os tratamentos, uma vez que é comum o surgimento de stress agudo. Este, se for prolongado, pode interferir negativamente com o tratamento e recuperação. Desta forma, a intervenção psicológica ajuda a paciente com cancro da mama na aquisição de comportamentos facilitadores no enfrentamento da doença, tais como: diminuição dos níveis de ansiedade, stress, e sintomas depressivos; gestão de medos e angústias; auxílio na compreensão do adoecer e suas consequências; e gestão de situações difíceis com familiares e/ou cuidadores e amigos.